O que é uma caldeira? Para que serve? Suas características e tipos mais comuns.

CALIBRAÇÃO RBLE e RBC X CALIBRAÇÃO RASTREADA

A TERCAL ENGENHARIA está entre as melhores empresas de inspeção nr13 com atendimento Nacional.

Somos especialistas em:

Se você está pesquisando por Inspeção vasos de pressão, calibração de válvula de segurança, calibração de manômetro, inspeção de compressores nr13, vasos de pressao nr13, teste de estanqueidade fale com um dos nossos Especialistas, será uma honra ter a sua empresa abrilhantando o nosso portfólio de clientes.

ENCONTROU O QUE PROCURAVA?

Faça seu orçamento grátis agora mesmo!

As caldeiras produzem vapor d’agua para diferentes atividades: desde aquecimento de água domiciliar, em pequenos equipamentos, até vapor a temperaturas altíssimas, em grandes instalações industriais.

Existem vários tipos e modelos, desde equipamentos compactos, usados em restaurantes e hotéis, até grandes instalações, em siderúrgicas  e  outras indústrias de porte.

Além de variarem quanto a modelos e tamanhos, as caldeiras se diferenciam pelo tipo de energia que usam em seu funcionamento, por sua potência, pressão de trabalho, vazão de vapor, pela forma de circulação da água e dos gases em seu interior etc.

Caldeiras a vapor são equipamentos destinados a produzir e acumular vapor sob pressão superior à atmosférica, utilizando qualquer fonte de energia, excetuando-se os refervedores e equipamentos similares utilizados em unidades de processo.

Destinado a Produzir e Armazenar Pressão;

Fluido Vapor;

Diversos tipos e construções;

Exemplo prático conhecido por todos nós:

Na panela de pressão, não há consumo contínuo de água. A quantidade de água pré-estabelecida é toda aquecida e transformada em vapor, aumentando a pressão e temperatura no interior da panela, o que acelera a cocção dos alimentos. Em função da pressão interna, a temperatura de ebulição da água no interior da panela de pressão, é da ordem de 110º C.

Quanto à pressão de trabalho, por exemplo, a Norma Regulamentadora n.º 13 (NR 13), do Ministério do Trabalho, classifica as caldeiras em três categorias:

 

CATEGORIA “A”;

Pressão Operação igual ou maior a 19,98kgf/cm²;

CATEGORIA “C”;

Pressão Operação igual ou inferior a 5,99kgf/cm² e volume interno menor ou igual a 100 litros;

CATEGORIA “B”;

Todas as caldeiras que não se enquadram nas anteriores;

QUANTO À PRESSÃO (NR-13 subitem 13.4.1.2)

DIFERENÇAS BÁSICAS ENTRE AS CALDEIRAS

A classificação mais usada para caldeiras industriais, entretanto, divide-se em elétricas, flamotubulares e aquatubulares.

Uma diferença básica distingue as caldeiras aqua e flamotubulares das caldeiras elétricas: o tipo de energia utilizado para gerar a energia térmica que transforma a água em vapor:

As caldeiras flamo e aquatubulares utilizam energia térmica proveniente da queima de combustíveis;

As elétricas, como o nome já diz, usam energia elétrica, proveniente da rede de transmissão (ou eventualmente de um gerador).

Essa diferença básica explica outras como, por exemplo:

Tanto as aqua como as flamotubulares tem um sistema para realizar a combustão, composto basicamente por uma fornalha (ou uma câmara de combustão), por queimadores, por alimentadores de combustível e de ar (para alimentar a mistura que é queimada) e por acessórios para a exaustão dos gases e limpeza da fuligem resultantes da queima; as elétricas, por sua vez, dispõem apenas de eletrodos ou resistências, que são ligados a uma fonte de energia elétrica ( a rede elétrica da empresa) e não geram resíduos.

Já a principal diferença entre as flamotubulares e as aquatubulares está na circulação da água que se transformará em vapor.

Nas aquatubulares a água circula por dentro de tubos (serpentina) e os gases quentes gerados pela combustão circulam por fora.

Nas flamotubulares os gases a altas temperaturas circulam por dentro dos tubos e a água circula por fora, já que os tubos estão inseridos em todo o reservatório onde fica o líquido (chamado de vaso de pressão).

Além dessas, as caldeiras podem apresentar diferenças no tipo de combustível usado na queima (sólido, líquido ou gás), potência, projeto etc.

CALDEIRA AQUATUBULAR

Horizontal e Vertical;

Caldeira de parede água ou tubos de água

Utiliza-se em Termoelétrica;

VANTAGENS

Médias e altas pressões (265kgf/cm²);

Elevada capacidade de produção (250 kg/m²);

Partida rápida devido ao volume água / câmara;

Pouco espaço em relação à capacidade;

 

DESVANTAGENS

Pessoal altamente qualificado;

Tratamento de água rigoroso e adequado;

Construção mais complexa;

Preço elevadíssimo;

CALDEIRA FLAMOTUBULAR

Horizontal e Vertical;

Fogo dentro dos tubos;

Indústrias;

Hotéis;

Hospitais.

 

VANTAGENS

Fácil operação;

Construção fácil; totalmente pré-fabricada;

Não exige tratamento muito apurado de água;

Fácil limpeza da fuligem nos feixes;

Fácil substituição dos tubos;

Possuem grande volume de água.

DESVANTAGENS

Partida lenta devido ao volume de água;

Capacidade de produção limitada (até 60kg/m²);

Ocupam muito espaço quanto à área de aquecimento;

Circulação de água natural deficiente;

 

CALDEIRA MISTA

Horizontal e Vertical;

Aquatubular e Flamotubular;

Indústrias;

Combustível Lenha;

CALDEIRA ELÉTRICA

Horizontal e Vetrical;

Resistores;

Eletrodos;

Média e baixa vazão e pressão; 

CALDEIRA LOCOMOTIVA

Horizontal e Vertical;

Gera vapor para movimentação própria;

Proporcionam acionamento mecânico onde não provém de energia elétrica;

Pressão até 21kgf/cm² e superaquecido;

 

ACESSÓRIOS E INSTRUMENTOS DE CONTROLE E SEGURANÇA

Dispositivos de alimentação

  • Injetam água na caldeira;
  • Devem vencer a perda de carga total no sistema (Tubulação, válvulas, etc.);
  • Normalmente divididos em 03 aparelhos;
  • Bombas Centrífugas;
  • Bombas Alternativas;
  • Injetores
  • Visor de Nível (13.3.1 alínea “d”)

Permite controlar Visualmente o nível da água no interior da caldeira;

  • RGI – ausência de dispositivo operacional de controle de nível de água da caldeira;
  • Recomenda-se que o visor seja drenado a cada início de turno;

Controlador de Nível (13.4.1.3 alínea “e”)

  • Controlam o nível da água (Eletrodos ou sistemas de bóia);
  • RGI – sistema automático de controle de nível de água com intertravamento que evite o superaquecimento por alimentação deficiente;
  • Recomenda-se que a garrafa seja drenada (Lama na garrafa e água turva no visor)

 Indicadores de Pressão (13.4.1.3 alínea “b”)

  • Utilizados para medir a pressão interna da Caldeira (MANÔMETRO);
  • RGI – Instrumento que indique a pressão do valor acumulado;

 Válvula Principal de Saída de Vapor

Permite a vazão de todo vapor produzido pela caldeira;

  • Geralmente são utilizados válvulas globo;
  • Válvulas gavetas são menos usadas quando não se tem rigoroso controle de vazão.

Válvulas de Segurança (13.3.1 alínea “a”; 13.4.1.3 alínea “a”).

Evitar elevação da pressão acima do limite especificado no projeto

  • RGI – Falta de PSV com pressão de ajuste em valor igual ou inferior à PMTA;
  • RGI – Dispositivo de contra bloqueio inadvertido a montante da PSV, conforme NR-13 subitem 13.3.1 alínea “c”;

Quando aberta, atender aos 03 itens básicos:

  • Abrir totalmente a uma determinada Pressão;
  • Permanecer aberta enquanto a pressão retorna ao valor normal de operação;
  • Fechar Instantaneamente após o abaixamento da pressão às condições normais de operação;
  • As PSV’s devem ter saída para fora da área / casa das caldeiras;
  • Devem ser testadas diariamente puxando as alavancas com toda pressão de trabalho da caldeira;

 Válvula de Alimentação

Permite ou interrompe o suprimento de água na Caldeira

 Válvula de Retenção

Evita o retorno de água sob pressão do interior da caldeira;

 Válvula de Descarga

  • Descarga rápida;
  • Permite a purga da caldeira ocasionando a desconcentração do equipamento;

PRESSOSTATOS

Pressostato de Modulação;

Modifica a vazão do combustível e do ar secundário, alternando chama alta e baixa do sistema queimador;

Pressostato de Máxima;

Faz parte do sistema de segurança da caldeira; Desliga automaticamente o sistema quando atinge a pressão máxima de trabalho;

 Detector de Chamas

  • Detectar a luminosidade da chama emitindo um pulso elétrico;
  • Protegem falhas acidentais de chama ou falha de ignição;

RISCO GRAVE E IMINENTE (RGI) ITEM 3.1 DA NR-13

  • Alínea “a” – Válvula de Segurança;
  • Alínea “b” – atraso na inspeção de segurança;
  • Alínea “c” – Bloqueio inadvertido;
  • Alínea “d” – falta de controle de nível;
  • Alínea “e” – operação de equipamento deteriorado (INAPTO);
  • Alínea “f” – trabalhador sem qualificação na operação de caldeiras.

4.1.3 – Caldeiras devem ser dotadas dos itens:

  • Alínea “a” – Válvula de Segurança
  • Alínea “b” – instrumento de controle;
  • Alínea “c” – Injetor (combustíveis sólidos);
  • Alínea “e” – controle de nível com intertravamento evitando o superaquecimento;

 4.1.5 – Placa de identificação e CAT

4.1.6 – Documentação

  • Alínea “a” – Prontuário;
  • Alínea “b” – Registro de Segurança;
  • Alínea “c” – Projeto de Instalação;
  • Alínea “d” – PAR;
  • Alínea “e” – Relatório de Inspeção (RI);
  • Alínea “f” – Certificados de Calibração (PSV/PI)

4.3.1 – Manual de operação

  • Procedimentos de parada e partida;
  • Procedimentos e parâmetros operacionais de rotina
  • Procedimentos de EMERGÊNCIA;
  • Procedimentos gerais de segurança, saúde e Meio ambiente;

 4.2.3 e 13.4.2.4 – Instalação de Caldeiras

  • 02 saídas amplas e distintAcesso fácil e seguro (Manutenção, guarda corpos);
  • Ventilação permanente e que não se bloqueie;
  • Iluminação de emergência caso opere a noite;

Instalação incorreta:

4.4 – Inspeção de Segurança

Teste Hidrostático de fabricação;

Caso não possua comprovação do TH.

Realizar na Inspeção Inicial;

Equipamentos em Operação (realizar na próxima Inspeção de segurança);

ITENS IMPORTANTES NR-13

13.4.4.12 – Imediatamente após a Inspeção, deverá ser anotado no Registro de Segurança a sua condição e, em até 60 dias, a Emissão do Relatório de Inspeção;

13.4.4.13 – O Empregador deve informa o Sindicato da categoria, num prazo de 30 dias após o término da inspeção a condição operacional da Caldeira;

13.4.4.13 – Recebido formalmente o RI, o empregador deve encaminhar ao Sindicato, no prazo máximo de 10 dias após elaboração, a cópia do RI;

Jéssica - Tercal
Siga-me
Últimos posts por Jéssica - Tercal (exibir todos)